Apesar de os resultados indicarem um número significativo de organizações com responsável por gestão de conhecimento (56 organizações; 30,11%), não posso deixar de realçar o facto de que dessas 56 pessoas, apenas 11 se dedicam a tempo inteiro a essa função.

Na verdade, a gestão de conhecimento é, na vasta maioria das vezes, uma área adicional de responsabilidade para uma pessoa. 53,70% dos responsáveis por gestão de conhecimento podem apenas dedicar a esta função menos de metade do seu tempo.

Com base nisto, podemos concluir que, apesar de 30,11% parecer um valor bastante razoável (e é!), dá talvez uma falsa imagem daquilo que realmente se passa nas organizações, em que uma pessoa, supostamente com responsabilidade pela gestão de conhecimento, acumula esta área com várias outras e acaba por não conseguir imprimir a dinâmica necessária de forma continuada.

5,88%

Este é, provavelmente, um valor mais representativo da existência de responsáveis por gestão de conhecimento em Portugal: representa a percentagem de organizações que têm uma pessoa responsável a tempo inteiro por gestão de conhecimento.