1ª Edição . Portugal

Estudo de Gestão de Conhecimento em Portugal 2010
Aqui pode encontrar o relatório do Estudo “Gestão de Conhecimento em Portugal – 2010” e aceder a um resumo das conclusões desta edição do Estudo em espanhol e em inglês.

Amostra

Para esta edição foram contabilizadas respostas de 255 organizações com presença em Portugal.

Algumas Conclusões

“Um dos intuitos [deste estudo] foi perceber o título atribuído às pessoas que, nas organizações, assumem a responsabilidade pela coordenação das actividades de gestão de conhecimento. Percebe-se que a maior parte das funções não referem explicitamente a gestão de conhecimento. Há algumas excepções: Técnico de Gestão de Conhecimento, Responsável pela Gestão de Conhecimento, Knowledge Manager, Knowledge Broker Network e Director de M&C e de Gestão do Conhecimento.

A nível de actividades ou processos mais utilizados nas organizações, verifica-se que as intranets ou portais corporativos são a ferramenta mais utilizada. As reuniões de reflexão sobre projectos concluídos e as reuniões de partilha de conhecimento são as actividades mais comuns.

Os resultados do estudo mostram a importância de uma estratégia de gestão de conhecimento ou de a estratégia de negócio referir a gestão de conhecimento: a resistência dos colaboradores à realização de actividades de gestão de conhecimento é menor nesses casos. Apesar disso, apenas um terço das organizações refere a gestão de conhecimento na sua estratégia e são ainda menos as organizações que têm uma estratégia de gestão de conhecimento.

A maior dificuldade enfrentada pelas organizações na concretização da estratégia ou na realização das actividades de gestão de conhecimento é a pouca experiência e conhecimento na área da GC.

Por outro lado, o maior benefício que as organizações procuram com a gestão de conhecimento é o maior e melhor aproveitamento do conhecimento existente.

Outras observações

  • Um terço das organizações tem uma pessoa responsável pela gestão de conhecimento.
  • Organizações com um sponsor de gestão de conhecimento ao nível da Direcção têm menos probabilidade de experimentar falta de recursos para a execução da estratégia ou para a realização de actividades de gestão de conhecimento.
  • Grande parte dos responsáveis de gestão de conhecimento encontra-se na Direcção da organização. Existe também uma percentagem significativa na área de Recursos Humanos.
  • É mais provável encontrar um responsável por gestão de conhecimento em filiais de empresas estrangeiras.
  • Nas organizações em que há um responsável pela GC, existe uma média de 3,13 pessoas adicionais a trabalhar em gestão de conhecimento. Em média, cada uma delas, dedica a essa função 11,41 horas por semana.

O estudo permite concluir que os esforços de GC se encontram em níveis bastante distintos nas organizações em Portugal. As grandes organizações parecem ter níveis de formalização, implementação e obtenção de resultados interessantes. Porém, a maior parte das organizações ainda apresenta iniciativas e resultados muito incipientes em torno da gestão de conhecimento e os resultados apresentados mostram que esta área é, em grande medida, uma consequência de iniciativas isoladas e informais por parte das organizações.”

Infografias

Autoras

Ana Neves e Maria José Sousa

Datas

Recolha de respostas: Último trimestre de 2010
Publicação do relatório: Primeiro trimestre de 2011

Principais Novidades desta Edição

Tratando-se de um novo Estudo, poder-se-á considerar que tudo foi novidade.

Ainda assim, as autoras propuseram nesta edição um modelo para classificação da abordagem que as organizações têm à gestão de conhecimento: informal, intencional, operacional e estratégica.

Abordagem Condições
Estratégica A organização tem responsável pela GC e estratégia de GC
Operacional A organização tem responsável pela GC ou estratégia de GC
Intencional A organização tem sponsor de GC e/ou faz referência à GC na estratégia
Informal A organização tem atividades ou ferramentas de GC

As perguntas foram trabalhadas de raiz por ambas as autoras, apoiando-se no seu conhecimento da literatura mas também no seu conhecimento prático do tema.

Licença

Licença Creative Commons
A obra Gestão de Conhecimento em Portugal (2010) de Ana Neves e Maria José Sousa foi licenciada com uma Licença Creative Commons – Atribuição – Uso Não Comercial – Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.